Nicki Minaj e Kenneth Petty são processados ​​por suposta vítima de estupro

 Avistamentos de celebridades em Nova York - 12 de fevereiro de 2020

Fonte: James Devaney/Getty

A mulher que acusou o marido de Nicki Minaj, Kenneth Petty, de estuprá-la quando eram adolescentes, entrou com uma ação contra o casal acusando-os de intimidação e assédio de testemunhas. De acordo com a Variety, Jennifer Hough está alegando que Minaj e pessoas de sua equipe a pressionam para retratar sua história e também assediam sua família. No processo federal, ela alegou que lhe ofereceram US $ 20.000 e uma mensagem pessoal de feliz aniversário de Nicki Minaj para sua filha se ela retratasse sua mensagem.



Hough também afirmou que Minaj ordenou que ela voasse para Los Angeles para que ela pudesse se encontrar com seu publicitário e ser orientada a escrever uma declaração de retratação. No processo, afirma que depois que Hough recusou essa oferta, ela disse ao rapper de “Megatron”: “Eu preciso que você saiba de mulher para mulher, que isso aconteceu”. Hough também alegou que um advogado a procurou oferecendo aconselhamento jurídico sobre declarações de retratação.

Hough disse que Petty a estuprou em 1994 depois que eles se encontraram enquanto ela estava a caminho da escola.

Devido a essas supostas situações, Hough disse que se mudou três vezes em questão de meses e mudou de número. Ela também não trabalhou e está lidando com paranóia e depressão.

A única vez que Minaj abordou o status de agressor sexual de Petty foi quando ela twittou “Kenny tinha 15 anos, ela tinha 16 anos e, em um relacionamento, mas vá awf Internet”.

Além deste processo, Petty ainda está tratando de outras questões legais. Recentemente, ele concordou em declarar-se culpado a uma acusação de não registro, informou o TMZ. Os promotores vão dar-lhe uma sentença de baixo nível em troca de uma confissão de culpa. Esta acusação acarreta uma sentença mínima de cinco anos de liberdade vigiada. Foi descoberto que ele não se registrou como agressor sexual na Califórnia depois que foi parado em novembro de 2019. Ele morava lá desde julho de 2019.